Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



III À mesa-de-cabeceira

Domingo, 21.10.12

Para quem ainda não entrou no universo dos eBook Readers*,  gerir a mesa-de-cabeceira pode ser um desafio. Autênticas bibliotecas joaninas, em ambiente de repouso, preparadas para acolher dos beatniks à Geração de 70 e conciliar Antero de Quental, Eça de Queirós, Oliveira Martins,Teófilo Braga, Ramalho Ortigão e a Beat Generation.

   Uma mesa-de-cabeceira é uma grande responsabilidade. Não quero nem pensar o que será entrar num quarto em que se abdica de Torga para ter o telefone da rede fixa debaixo do nariz. Diz muito de nós. É diferente ter à distância de um braço John Le Carré ou Raymond Chandler, Goodbye Columbus de Philip Roth ou a trilogia de Stieg Larsson.

Alguém que adormeceu a ler On the Road deixa adivinhar um indivíduo muito diferente do que aquele que optou por José Saramago.

  Uma boa mesa-de-cabeceira deve estar preparada para o imponderável, o inusitado, o inexplicável, pelo que se torna importante contar armas. Ver o que se passa intramuros. Não negligenciar nenhum dos seus hemisférios.

  Deve o abastecimento ser farto tanto em clássicos de todos os tempos quanto em novidades editoriais. Fazer constar o Cânone Literário do Ocidente (Harold Bloom), com a sua lista de referências intemporais e a estreia. O imortal e o autor com tudo para provar. O nobelizado e a jovem promessa. 

  Diversidade e inexistência de preconceitos devem fazer parte de um manifesto a seguir escrupulosamente, como se este implicasse a sobrevivência.

  Uma mesa-de-cabeceira bem recheada é meio caminho andado para uma noite de sono bem passada. Mal é um pesadelo.

Para além das obras em quantidade e qualidade suficientes, deve possuir uma boa iluminação, óculos à disposição (para quem precisar), respectivo produto de limpeza para as lentes com odor pouco pronunciado e marcadores em número suficiente para evitar o sacrilégio de acabar a dobrar folhas como se, apesar de uma escolha cuidada, tratasse de um vulgar chorrilho light . 

   Pelo já exposto se percebe que a compra acertada da mesa-de-cabeceira é uma tarefa difícil e que deve ser compreendida como fundamental mesmo que tenha como consequência uma inevitável desproporção de tamanho em relação aos restantes móveis e objectos do quarto, cómodas e tapetes incluídos. Ter espaço suficiente para não ter que acabar de optar entre a presença de certas monografias essenciais e a medicação indispensável é essencial. Isso pode ser tão devastador quanto ter de vencer obstáculos para pôr o recipiente com a dentadura, em vez de volumes extra de Faulkner. Ou comprometer as orações, abdicando do terço familiar por escassez de espaço no sítio onde se encontra a Dulce Maria Cardoso e Céline. 

   Em relação a mais cuidados, para evitar afrontamentos provocados pelo peso da responsabilidade, desaconselha-se a presença dos Lusíadas, Ulisses e Finnegans Wake por perto do sítio onde se vai pernoitarCamões e James Joyce podem ser demasiado e desinquietar o sono mais profundo. 

Robert Musil poderá, eventualmente, cair mal em horário não diurno pelo que O homem sem qualidades paredes-meias com o travesseiro incitará palpitações incontroláveis.

   Na minha experiência depreendo que não está, também, o espírito sempre preparado para o contacto nocturno com o impressionismo, da mesma maneira que o não está para Cem anos de solidão ou Amor em tempos de cólera, pelo que tanto Gabriel Garcia Márquez como Baudelaire, Mallarmé, Rimbaud e Verlaine exigem moderação.

Para leitores mais preguiçosos, um tomo de crónicas de António Lobo Antunes à cabeceira deve sempre ser considerado, da mesma maneira que os amantes da literatura de viagens não devem hesitar em munir-se de A Arte da Viagem e O Grande Bazar Ferroviário de Paul Theroux, Regresso à Patagónia em dinâmica Theroux versus Chatwin, Na Patagónia de Bruce Chatwin, Viagens de Marco Polo, Caderno Afegão de Alexandra Lucas Coelho da Tinta da China, Cadernos da Viagem à China de Roland Barthes e Últimas notícias do sul de Luis Sepúlveda. Pelo menos.

Alguma poesia para despertar o amante adormecido deverá ter fácil acesso, pelo que o conselho será o de a deixar à esquerda do candeeiro, se ele se encontrar ao centro da mesa-de-cabeceira, deixando a direita vaga, por exemplo, para Kafka ou Edgar Allan Poe para quem gosta desses territórios.

A competir no ombro a ombro pelo espaço ocupado pelo despertador, poderão muito bem estar Gonçalo M. Tavares ou Mário de Carvalho ou para os facilmente seduzidos pela reflexão os filósofos anglo-saxónicos.

   Felizmente, a Cerne (passe a publicidade) teve o bom senso de guarnecer a minha mesa-de-cabeceira com gavetas. Na última guardo os boxers. Calvin klein tricolor: branco, preto e cinzento. Porque, no meio disto tudo é sempre útil manter alguma decência. 


*Ver Ciberescritas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Máquina-da-Preguiça às 12:51









arquivos

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D





pesquisar

Pesquisar no Blog  





comentários recentes

  • numadeletra

    Dramas balneares :-)

  • Maria

    Que delícia!!!

  • Sandra

    :) Se descobrires como se treina esse optimismo , ...

  • LWillow

    Dietas 'é uma coisa que não me assiste' e assim s...

  • LWillow

    http://www.youtube.com/watch?v=BV-dOF7yFTw

  • LWillow

    ehehehe! 'tamos nessa' 'brother' ! Mais um bom tex...

  • LWillow

    Thanks ! this reading was a pleasure !

  • Anónimo

    Aperta faneca! Vamos a Estocolmo sacar o guito! Su...

  • Lwillow

    Ora aqui está mais uma 'pérola para porcos' ! O mo...

  • LWillow

    Como eu te percebo ! Mas ... 'não há volta a dar-l...


REDES SOCIAIS