Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



III A latosfera

Quinta-feira, 14.02.13

Se alguém lhe disser na cara "É preciso ter lata!" como se você fosse uma mutação de Marylin Manson subvertendo Tainted Love, com orgulho, confirme. 

Pode até acrescentar: "Sim, claro, sou português!".

     Se eu não fosse português gostava de o ser só por causa da lata. O português tem lata. 

Em doses Cheerios familiar.

Não se acanha. Não é acabrunhado. Arroja-se.

Bate à porta para pedir um pezinho de salsa, mas transforma-se, ainda na soleira, em Átila o Huno acabando a saquear a despensa e a assaltar o frigorífico da vizinha. 

Garante qualidades duvidosas.

Vantagens inexistentes.

Confirma prazos por cumprir.

Validades ultrapassadas.

Compromete-se com o impossível.

Pisa o risco.

Enfim, tem lata.

Exemplos?

Ter lata é desvalorizar ao agente da autoridade índices elevados de alcoolémia no limiar da náusea e com evidências na fralda da camisa de vómito recente.

É ser capaz de desmentir aos pais da jovem uma gravidez, com o trabalho de parto em contagem decrescente.

Negar ao cliente irado o cabelo afundado no Risoto, como uma bandeira erguida com esforço no topo do Evereste. 

Ocupar o lugar para deficientes no estacionamento desculpando-se com enxaquecas atrozes.

Negar um flagrante delito ou uma boca na botija.

Uma amante deitada lânguida no quarto do casal.

Dizer-se da oposição com o pin do partido do governo na lapela.

Afirmar-se inocente com a arma fumegando na mão ou, ainda, agarrado ao pescoço da vítima.

     Há latas e latas, mas sem ela não se arranja namorada, não se ganha lugar na fila, não se consegue par para o baile de finalistas...Não se vai longe. É com ela que se conquistam lugares, se recuperam posições, se avança na direcção do El Dorado.

     A lata desafia a vergonha é dissimulada e disfarça, por isso não agrada ao discreto nem serve ao tímido. É desaconselhada pelo bom senso, mas consegue resultados.

     Na lata cabem várias ousadias e uma imensidão de "não custa nada tentar". Fica algures entre o "ver se pega" e o "pode ser que cole". Perto da fronteira do "Não há outra maneira".

Um mundo estratosférico subdimensionado para as necessidades, transversal a todas as classes, com densidade populacional excessiva e sem demografias privilegiadas. 

     A lata recomenda moderação como o Viagra, mas tal como o uso selvagem deste leva a corações a explodir também com ela se observam exageros.

Além disso, a lata pode, muito bem, cair em saco roto. Esse é um risco que se tem de correr. Mas como toda a gente sabe:

"Quem não chora não mama".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Máquina-da-Preguiça às 16:31









arquivos

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D





pesquisar

Pesquisar no Blog  





comentários recentes

  • numadeletra

    Dramas balneares :-)

  • Maria

    Que delícia!!!

  • Sandra

    :) Se descobrires como se treina esse optimismo , ...

  • LWillow

    Dietas 'é uma coisa que não me assiste' e assim s...

  • LWillow

    http://www.youtube.com/watch?v=BV-dOF7yFTw

  • LWillow

    ehehehe! 'tamos nessa' 'brother' ! Mais um bom tex...

  • LWillow

    Thanks ! this reading was a pleasure !

  • Anónimo

    Aperta faneca! Vamos a Estocolmo sacar o guito! Su...

  • Lwillow

    Ora aqui está mais uma 'pérola para porcos' ! O mo...

  • LWillow

    Como eu te percebo ! Mas ... 'não há volta a dar-l...


REDES SOCIAIS