Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



III O Silêncio dos Inocentes

Domingo, 17.02.13

Em casa o silêncio é tão difícil como ganhar a lotaria. Tão improvável como uma descida súbita de impostos.

   A paternidade traz associada a falta de sossego. Ventos intranquilos para a bonança. Um desnorte para a paz e serenidade.

  A ingenuidade infantil é um antídoto para a tranquilidade, uma vacina para a mudez, uma antecâmara para o barulho.

  Uma criança tem a capacidade de apreciar tudo o que seja elemento decorativo inspirado num universo Austin Powers e de possuir um débito sonoro (ruidoso) equivalente a uma actuação de uma banda de Death Metal em noite de  prémiere. Dentro e fora de portas. Fazendo um aproveitamento aparatoso para espectáculos da sala de jantar, equivalente ao possível na Wembley Arena e Coliseu dos Recreios ou na varanda por comparação com os jardins de Versailles.

Entidades implacáveis, armadas até aos dentes de cordas vocais aguçadas e poderosíssimas aptas a lançar semicolcheias selváticas e riffs ásperos à base de atmosferas guturais e histéricas a vários quilómetros de distância à velocidade da luz. Defendendo a máxima "para quê sussurrar quando se pode gritar" entusiasmadas como se apregoassem a paz para o médio oriente até três galáxias de distância da nossa. 

Groupies  endiabradas sub 8, autoras de autênticos hinos pedregosos, entoando a mensagem "Aqui não haverá silêncio!" e sinfonias guinchadas "Aqui ninguém ouve nada!". 

    Em qualquer lado que existirem crianças nas proximidades tudo será, inevitavelmente, gritado a plenos pulmões. 

    Não quero aparentar ter um apetite torturador por criaturas barulhentas como McCarthy por comunistas mas, multipliquem o descrito por duas crianças e percebem a impossibilidade de ter um ambiente silencioso. 

Às vezes, tem-se a sensação de ter embarcado numa cápsula do tempo e aterrado em plena beatlemania com ninfetas entre os 3 e os 7 anos vozeando esbaforidas sem ser necessário ouvir Love me do. Os ouvidos de vítimas inocentes acabando saqueados e consumidos como patê, os miolos desfeitos em Strogonoff suscitando uma dieta rápida e fulminante de decibéis.

Nessas alturas olhamos em volta desesperados e pedindo auxílio. Como quando estamos no avião a olhar pela janela, com o rabo com a forma de um hexágono recente, e observamos, atentamente, as nuvens na esperança, estranha e impossível, de aparecer uma placa a dizer Nova Iorque a 500 metros.

     Ora, ninguém sai prejudicado se for um fã da Dave Matthews Band ou um seguidor atento dos comentários maternais e eroticizados de Teresa Guilherme “O que a menina quer sei eu!” que se podem ouvir entre zappings. Mas a situação torna improvável apreciar, atentamente, um acorde de Glenn Gould ou uma reflexão de George Steiner.

Desferindo o golpe final, como uma anjo da morte sem misericórdia, à filosofia de vida que tem inerente a ideia de que There’s no place like home.

     É claro que acabamos a relativizar e a repensar a possibilidade de viver com mini cyborgs providos com uma espécie de didgeridoo infernal em vez de língua. Protela-se a opção "Chamem a polícia". Até porque a  nossa consciência nos acaba por lembrar que são crianças… inofensivas e cândidas. E mais importante que isso, que são nossas. 

E isso muda tudo. Infelizmente, o barulho continua.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Máquina-da-Preguiça às 11:54









arquivos

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D





pesquisar

Pesquisar no Blog  





comentários recentes

  • numadeletra

    Dramas balneares :-)

  • Maria

    Que delícia!!!

  • Sandra

    :) Se descobrires como se treina esse optimismo , ...

  • LWillow

    Dietas 'é uma coisa que não me assiste' e assim s...

  • LWillow

    http://www.youtube.com/watch?v=BV-dOF7yFTw

  • LWillow

    ehehehe! 'tamos nessa' 'brother' ! Mais um bom tex...

  • LWillow

    Thanks ! this reading was a pleasure !

  • Anónimo

    Aperta faneca! Vamos a Estocolmo sacar o guito! Su...

  • Lwillow

    Ora aqui está mais uma 'pérola para porcos' ! O mo...

  • LWillow

    Como eu te percebo ! Mas ... 'não há volta a dar-l...


REDES SOCIAIS