Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



III Deus não dorme (muito menos ao domingo de manhã)

Sexta-feira, 30.08.13

A campainha toca. 9.45 a.m. Arranjo-me à pressa e vou à porta: de chinelos, o impensável a ver-se, olhos de João Pestana, hálito em fermentação, cabelo de ouriço.

Espreito pelo óculo e atraiçoado pela profundidade de campo que me faz confundir o espírito santo com a publicidade não endereçada apercebo-me das fagulhas infernais que andam pelo ar.

Faço silêncio.

Olho à volta para verificar o que me pode denunciar: música alta, televisão ligada…

Faço-me invisível e escondo-me translúcido atrás da porta. A esquivar-me à “palavra do senhor”. Resignado como Lincoln que: “Pode enganar-se a todos por algum tempo, alguns por todo o tempo, mas não se pode enganar a todos todo o tempo...”

Convencido de ter mais contas acumuladas do que um psicopata sem escrúpulos. Que o mundo acaba até à hora de almoço.

Tocam, novamente.

O suor escorre-me das têmporas do peso da minha consciência.

Espiritualmente esbaforido.

Capaz de enfrentar Zeus, mas com medo de enfrentar os descendentes de Calvino.

Olho, novamente, pelo óculo.

Em apuros.

A poucas polegadas da perdição. Lugar garantido entre os 5 maiores prevaricadores. Translúcido atrás da porta.

A arranjar lugar cativo, na bancada dos sócios de maior valor, no dia do juízo final.

Pecaminosamente em boa forma. Apto para correr a ultra-maratona em contramão na via da virtude.

A olhar pelo óculo. Ainda lá está? Não costumam ser dois?

A adivinhar-lhe as asas a sair das costas por entre o blazer.

Translúcido atrás da porta. A consternação estampada na cara em cor salmão da Noruega.

A pensar: “Porquê eu?”.

A contas com anos de sarcasmo, ironia e trocadilhos.

A gritar abafado.

“Já demos!”, na ponta da língua. “Estamos servidos!”, no fundo da garganta.

Com pena de fingir. Cheio de remorsos. A ferver, lentamente, a  40° o síndrome de Estocolmo.

Desmagnetizado para a fé. Blasfemo.

A apoderar-me a partir do óculo do seu cérebro  e a ordenar-lhe: ”Vai em paz e que o senhor te acompanhe!”.

Oiço, novamente, a campainha.

Abro. Translúcido, a esquivar-me à palavra do senhor, de chinelos, o impensável a ver-se, olhos de João Pestana, hálito em fermentação, cabelo de ouriço.

Olho para as asas a saírem do blazer e em pânico bato arrependido, sincopado, no peito enquanto guincho:

“Misericórdia, misericórdia!”

Os pés já afogueados pelas lavaredas do inferno.

“Salve-me, salve-me!”.

Eu a vê-lo avaliar-me para o juízo final.

E ele a responder-me, calmo, sem asas à vista:

“Importa-se de puxar o carro à frente. É que ontem à noite estacionou frente ao portão da garagem e não consigo sair.

Confirmo que sim que vou só buscar a chave e fecho a porta.

10.00 a.m.

Olho pelo óculo ainda assustado.

O fim esteve à vista. Escapei por um fio.

Preciso de uma bebida. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Máquina-da-Preguiça às 17:22









arquivos

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D





pesquisar

Pesquisar no Blog  





comentários recentes

  • numadeletra

    Dramas balneares :-)

  • Maria

    Que delícia!!!

  • Sandra

    :) Se descobrires como se treina esse optimismo , ...

  • LWillow

    Dietas 'é uma coisa que não me assiste' e assim s...

  • LWillow

    http://www.youtube.com/watch?v=BV-dOF7yFTw

  • LWillow

    ehehehe! 'tamos nessa' 'brother' ! Mais um bom tex...

  • LWillow

    Thanks ! this reading was a pleasure !

  • Anónimo

    Aperta faneca! Vamos a Estocolmo sacar o guito! Su...

  • Lwillow

    Ora aqui está mais uma 'pérola para porcos' ! O mo...

  • LWillow

    Como eu te percebo ! Mas ... 'não há volta a dar-l...


REDES SOCIAIS