Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


III Frase do dia

Sábado, 27.04.13
Escrever é um bocadinho a dívida que se paga pelo que se leu, embora não haja dúvida que o melhor de tudo é ser ladrão e receber tudo sem dar nada em troca.

Miguel Esteves Cardoso, Como é Linda a Puta da Vida, "O mundo incompleto", Porto Editora, 2013, p.53.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos M. J. Alves às 10:38

III Carta a Miguel Esteves Cardoso

Domingo, 17.06.12

Caro Miguel Esteves Cardoso (MEC)

 

Sem querer fugir ao assunto, começo por dizer que não o conhecer pessoalmente é um caso de manifesta injustiça.

Tenho livros seus lidos em quantidade suficiente para o merecer. Conhecimento de crónicas bastante para isso já ter sucedido.

Horas de Noite da Má-Lingua. Visitas ao Pastilhas.

Fui assíduo na leitura d' O Independente e fiel comprador da revista K. Consulto com frequência Em Portugal não se come mal e Com os Copos. Prefiro as suas traduções das peças de Samuel Beckett.

Por causa da sua letra ainda ouço Foram Cardos Foram Prosas (com música de Ricardo Camacho, interpretada por Manuela Moura Guedes).

O que concede ainda mais força à ideia de injustiça. Penso que pelo menos um gin tónico consigo já se justifica há anos.

   Posso ser acusado de exagero, de ser tudo demasiado aparatoso. Mas em relação a certas coisas, tenho mau perder. E não concordo, em absoluto, com certos privilégios.

   Se a memória não me falha, também nunca nos cruzámos. À excepção de uma vez nas Amoreiras. Que eu me recorde! Penso que confirmará.

Nunca fomos além de um «com licença». Mas  é possível simpatizar com alguém sem nunca o ter conhecido, verdadeiramente. Concordar com as suas ideias só por as ter lido num jornal. À primeira. Dispensar troco. Achar que sim senhor. Querer tudo de bom para si, só porque sim. É o que sucede no meu caso. No nosso…

Essa é, pelo menos, a minha opinião. Podemos construir um mundo inteiro baseado em suposições e ele funcionar. Ou, pelo menos, termos essa sensação. Mesmo que tudo não passe de uma ilusão. As certezas estão sobrevalorizadas.

   Sei que tem passado um mau bocado. A razão é do conhecimento geral. Não são precisas mais explicações.

Que tem sofrido. E eu tenho sofrido junto. Menos, como é óbvio. Por simpatia. Por ter a sensação de que nos conhecemos desde sempre. Sem nunca nos termos cruzado. Por pensar que lhe estou a dever. Por achar que consigo sentir, também.

   Foi graças a si que achei que também conseguiria escrever. Penso até que tem uma geração inteira (pelo menos) que o responsabiliza pelo mesmo.

Por sua causa deixei de ter tento na língua. Senhor do meu nariz. Passei a não comer e calar. Aprendi que ninguém merece ser, antecipadamente, levado em ombros. A escrever sobre isso. Como se fosse uma emergência. Foi a altura em que, provavelmente, mais me cresceu pelo na venta.

Acabei a ler nas entrelinhas. Mais desinibido nos temas. Desenvolto na gramática. Atento à sintaxe. Escrever parecia fácil. Por sua causa parecia uma coisa simples. Depois percebi que não e levei isso um bocado a peito. Como se tivesse invadido uma festa para a qual não fui convidado. Temi não ter entrado com o pé direito. Ser fruto de um erro de casting.

Já lá vão uns anos.

Senti-me traído. Capaz de vazar os próprios olhos. Não se ilude assim as pessoas. Só porque somos bons. Deve-se explicar que não é para todos. Que não funciona assim. Durante muito tempo acusei a quebra do voto de confiança.

   Demorei algum tempo a perdoar-lhe, mas aprendi consigo uma coisa ou outra sobre o amor e, embora tenha resistido, isso acabou por acontecer. Que é fodido. Para começar. E isso compensou tudo o resto. A desilusão anterior. Afinal, fui eu que me pus a jeito. Como costuma dizer: «a culpa é sempre nossa.» E talvez o segredo seja mesmo a alma do negócio.

   Mais recentemente, enquanto sofria consigo, percebi pelas suas palavras que amar nunca deixa de ser fodido. Por esta ou aquela razão. Já desconfiava. Mas há sempre uma lição ou outra a tirar. A aproveitar dos outros. De si.

   Coragem MEC, sem a sua ajuda nunca teria conseguido escrever esta carta.

   Obrigada por tudo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos M. J. Alves às 10:00

III A orelha de Van Gogh

Segunda-feira, 26.03.12

Nascemos todos com vontade de amar. Ser amado é secundário.

Prejudica o amor que muitas vezes o antecede.

 

Miguel Esteves Cardoso, O Amor é Fodido, Assírio & Alvim, 1994.

 

 

Ele diz para ela: «É só um beijo». «Não», responde ela. «Este é diferente», acrescenta. E ele de coração despedaçado desiste e volta para o recreio cheio de nódoas negras. Do primeiro amor não correspondido. Sem Hirudoid para as curar.

   O cínico dirá que a única razão porque nos lembramos do primeiro beijo é porque não foi grande coisa. Mas se há coisa que Miguel Esteves Cardoso (MEC) nos ensinou é que O Amor é fodido. O que é muito mais convincente (pelo menos para mim) do que dizer que «é fogo que arde sem se ver». Talvez essa fosse uma abordagem interessante na época de Camões, mas os tempos são outros.

  Há dias em que temos o nosso quê de Mick Jagger orgulhosamente reconhecendo I’m Lucky at Love, mas na maioria dos casos e dos dias andamos macambuziamente Morrissey, ensimesmados, em pose Last night I dreamt that somebody loved me. É assim o amor.

Leva-nos à loucura. Em cada um de nós passa a haver um Van Gogh disposto a cortar uma orelha.

Alucina-nos. Tem sintomas de quem toma metanfetaminas.

Segundo o poeta, inspira cartas ridículas.

Exageradas, pungentes, apaixonadas. Quem não as escreveu?

Dá-nos vontades. Ânsias. Se se proporcionasse adoptávamos Oliver Twist.

Embaraça-nos. Por ciúme leva-nos a atitudes make my day punk. Irreflectidas. Arriscadas.

É fruto de uma vocação ancestral de procurar a outra metade. Gémeos frustrados. O meu reino por uma alma gémea.

É um murro no estômago. Um pontapé nos… Percebem, certo?

   It´s a dirty job but somebody got to do it.

Tem poderes alquímicos. Transforma sapos em príncipes.

Vende melhor do que pãezinhos quentes. Mas, sai caro. Não é uma pechincha baratucha do eBay.

Acerca dele como em relação ao que importa só sabemos que nada sabemos.

   E, anos mais tarde, mais experientes, percebemos que ela tinha razão, era um beijo diferente. Era o primeiro.

   É isso o amor. Fodido. Os anos passam, mas…

Quem não aprendeu foi porque não quis. No hope, no harm Just another false alarm, comentaria Morrissey com os The Smiths.

Obrigado MEC pela lição.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos M. J. Alves às 15:42





arquivos

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D





pesquisar

Pesquisar no Blog  




comentários recentes

  • numadeletra

    Dramas balneares :-)

  • Maria

    Que delícia!!!

  • Sandra

    :) Se descobrires como se treina esse optimismo , ...

  • LWillow

    Dietas 'é uma coisa que não me assiste' e assim s...

  • LWillow

    http://www.youtube.com/watch?v=BV-dOF7yFTw

  • LWillow

    ehehehe! 'tamos nessa' 'brother' ! Mais um bom tex...

  • LWillow

    Thanks ! this reading was a pleasure !

  • Anónimo

    Aperta faneca! Vamos a Estocolmo sacar o guito! Su...

  • Lwillow

    Ora aqui está mais uma 'pérola para porcos' ! O mo...

  • LWillow

    Como eu te percebo ! Mas ... 'não há volta a dar-l...